Cantinho #11 – As Mulheres em Blade Runner

Olá, moradores! Estamos de volta e de cara nova! Mylla Fox assume o comando do cantinho e convida Priscila Armani, do site e podcast “O Que Assistir” e Fernanda Azevedo, do site “Eu, Astronauta“, para analisar o papel da mulher no filme Blade Runner, tanto o primeiro de Ridley Scott, quanto a recente sequência de 2017, dirigido por Dennis Villeneuve.

Humanas sonham com personagens femininas profundas? O que o machismo tem em comum com as baratas? Estaria o filme fazendo uma crítica ao machismo no fim das contas, sendo uma característica da distopia representada na franquia ou apenas mais um filme de ficção científica em que as mulheres estão em segundo plano mesmo? As respostas à essas perguntas estão no programa de hoje!

Certifique-se de que você não é um replicante e vem com a gente!

 

Vitrine por Lucas

Logo por Elias Carpeggiani

Edição por Diego Ferreira

Feedbacks, xingamentos e replicantes: abraseucoracao@vilacast.com.br


Assine separadamente o Cantinho

http://vilacast.com.br/index.php/category/cantinho/feed/


Redes Sociais


Grupo e canal do Telegram:


Links complementares

As Heróinas de papelão de Philip K. Dick

Nada muda para as mulheres em Blade Runner 2049

Predatory Romance in Harrison Ford Movies

O que dá nossa personalidade?

Born Sexy Yesterday

 

  • Fernanda Azevedo

    corrigindo minha frase de “todos os sexos” para “gênero”. Eu fico toda nervosa e troco as coisas hahahaha. Muito obrigada pelo convite!

  • Frederico Pickler da Silva

    essa cena com o jared leto matando a replicante mulher, o motivo dela pra historia do filme não tem a ver com o que vocês falaram, mas realmente ela deu essa impressão, acho que mudar a replicante pra um homem teria o mesmo efeito pro roteiro e não iria passar essa impressão de mulher só serve pra ter filhos

  • Frederico Pickler da Silva

    sobre a cena do sexo do K com a joy, pra mim aquela cena representa a humanidade do K. até então o relacionamento dele era algo “fake” a mulher dele era virtual, a partir do momento que ele passa a pensar que ele era real, era um humano, o relacionamento dele também vira algo real.